Indústrias de Mobilidade – Portugal Mobi 2015 « KNOW NOW // Conhecimento e Inovação
Know Now

Indústrias de Mobilidade – Portugal Mobi 2015

A indústria automóvel tem ligações, numa lógica de cluster com todos os sectores da indústria transformadora, desde a metalurgia à borracha, dos produtos electrónicos aos têxteis, e do vidro aos plásticos. História de sucesso: instalação da AutoEuropa em 1994.

O Projecto Auto Europa ilustra na perfeição, o modelo de cluster automóvel, envolveno a realização de joint-ventures com empresas existentes e a criação de novas empresas, como as fornecedoras de sistemas e componentes.

AICEP

Duas das grandes preocupações dos cidadãos europeus prendem-se com a poluição do ar e os problemas relacionados com a mobilidade urbana. Também a nível nacional, as principais questões que preocupam os cidadãos são problemas relacionados com a mobilidade urbana e que se têm vindo a agravar nos últimos 10 anos: o trânsito intenso, o ruído e a qualidade do ar.

Em Portugal, os transportes rodoviários continuam a ser responsáveis pela maioria das emissões de monóxido de carbono (CO), em cerca de 60%. Apresentam a maior contribuição para as emissões de óxidos de azoto (NOx), gases altamente tóxicos (cerca de 45%) e participam de forma significativa nas emissões de dióxido de carbono (CO2). Enquanto em 1980 havia um carro para cada quatro europeus, actualmente há quase um automóvel para cada dois (idosos e crianças incluídas) o que tem conduzido a que muitas das melhorias ambientais que se tem procurado implementar não tenham ainda tido o sucesso desejado.

A estratégia para um desenvolvimento sustentável passa assim, pela optimização do sistema de transportes públicos e pelo incentivo de fontes de energia alternativa como combustível automóvel. Porém, apesar dos esforços no sentido de promover combustíveis alternativos para os veículos (como por exemplo electricidade, gás natural, células combustíveis e biocombustíveis) o seu peso no mercado ainda é baixo. No que diz respeito à adesão dos transportes públicos, apenas uma percentagem relativamente reduzida de portugueses admitem estar dispostos a adoptar medidas para evitar o uso do carro nas deslocações diárias.

Caracterização

O objectivo principal do Pólo de Competitividade Mobi 2015 passa por tornar Portugal uma referência na investigação, concepção, desenvolvimento, fabrico e teste de produtos e serviços das indústrias da mobilidade. A estratégia de actuação deste Pólo assenta em três indústrias de base – automóvel, aeronáutica e ferroviária.

Embora estes três sectores se constituam como os alvos da actuação do Pólo, este agrega igualmente fornecedores de serviços e de componentes, reunindo uma vasta amplitude de:

  • Sectores industriais (metalomecânica, metalurgia, polímeros, têxteis, electrónica e sistemas);
  • Empresas da área da energia e novas monitorizações;
  • Tecnologias da informação.

É assim através do trabalho em cooperação entre os diversos agentes que se procurará oferecer soluções mais “inteligentes, verdes e integradas”.

Tal como referido anteriormente, o cluster automóvelé uma dessas indústrias,inserindo-se num sector que apresenta algumas características muito próprias, das quais se destaca uma que reside na ausência de um sector forte de OEM. Esta falta de dimensão colectiva, tem originado uma dificuldade crescente ao nível da integração e consequente dinâmica de clusterização. Por outro lado, o sector caracteriza-se pela relevância que assume o fabrico de peças fundidas, de componentes mecânicos (CACIA – Companhia Aveirense de Componentes para a Indústria Automóvel; MAHLE – Componentes de Motores) e de peças estampadas em metal (GESTAMP Portugal; GAMETAL Kirschhoff e várias PME).

Verifica-se igualmente que existem, na região Norte e Centro Litoral, vários fabricantes de carroçarias para autocarros de passageiros e de PME especializadas no fabrico de componentes para carroçarias. São exemplos de algumas dessas empresas a Salvador Caetano, CAMO e Alfredo Caetano.

Recentemente, tem-se registado uma forte implementação da vertente electrónica no automóvel, nomeadamente com o fabrico de auto-rádios e sistemas de navegação. A CONTINENTAL MABOR, pela capacidade de produzir pneus em grande quantidade, encontrava-se em 2006 entre os dez maiores exportadores portugueses, sendo bastante relevante para o desenvolvimento deste sector. De referir ainda a importância dos moldes para plásticos/fabrico de componentes plásticos para o automóvel (na qual a SIMOLDES é o maior e melhor exemplo) e do fabrico de outros produtos não mecânicos como os volantes e airbags, o fabrico de escapes e catalisadores.

Por fim, o sector caracteriza-se ainda por englobar dois tipos de produções muito associadas à indústria têxtil e que assume particular relevância para o sector automóvel. São eles as cablagens (ex: CABELAUTO) e os assentos (FAURECIA – assentos para automóvel e SUNVIAUTO – Indústria de Componentes de Automóveis) que inclui as estruturas metálicas, as espumas e os tecidos.

No caso da aeronáutica, investimentos como os da Embraer e da AgustaWestland são muito importantes. Por se turno, no caso da ferroviária, o potencial consórcio para a alta velocidade é de assinalável relevância.

Atendendo a estes factos, foi definido um plano de orientação para o Pólo de Competitividade que assenta em quatro eixos de intervenção:

Algumas das medidas iniciaram-se em 2009, com especial destaque para os projectos âncora:

  • Competitividade e inovação nas cadeias de fornecimento da indústria automóvel, que enolve VW Autoeuropa (principal), CEIIA, 20 empresas e outras entidades;
  • REMobi – Rede de Excelência para a Indústria da Mobilidade;
  • Eficiência energética na indústria automóvel, a cargo da Inteli e de 20 empresas;
  • Plataforma de investigação, desenvolvimento e engenharia aeronáutica, com CEIIA, AgustaWestland e outras empresas do sector.

Quem o constitui?

O Pólo de Competitividade e Tecnologia (PCT) das indústrias de mobilidade envolve um conjunto alargado de actores e que se organizam em torno de uma entidade gestora do mesmo, CEIIA – Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel:

Para além de algumas empresas já referidas, o PCT Indústrias de Mobilidade conta ainda com a presença de empresas como:

  • ACECIA, Componentes Integrados para a indústria automóvel;
  • Activespace;
  • Almadesign;
  • AgustWestland;
  • Amorim Industrial;
  • Couro Azul;
  • Iber-Oleff;
  • Incompol;
  • Mitsubishi Fuso Truck Europe;
  • PSA Peugeot-Citroen;
  • Renault-Nissan;
  • Toyota Caetano;
  • VN Automóveis;
  • VW Autoeuropa;
  • Entre outras.

Igualmente ligadas ao Pólo servindo de suporte a alguns dos maiores grupos mundiais e nacionais dos sectores industriais, da área de energia e de tecnologias de informação, estão algumas associações:

  • AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel;
  • FIAPal – Fórum Indústria Automóvel de Palmela;
  • ACAP – Associação Automóvel de Portugal;
  • PEMA – Portuguese Association for the Aerospace Industry;
  • AEP – Associação Empresarial de Portugal.

IAPMEI e AICEP integram ainda o Pólo enquanto instituições de suporte ao mesmo.

Onde está?

O Pólo tem presença, através das empresas que o constituem, nas Regiões Norte, Centro e de Lisboa e Vale do Tejo. Contudo, a presença maioritária dá-se nas duas primeiras Regiões onde se concentram grande parte dos Associados do Pólo.

Quais os centros de saber que o suportam?

Centros de I&D e Inovação:

  • INTELI;
  • PIEP – Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros.

Centros de Saber:

  • INEGI – Instituto de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial;
  • INESC – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto;

Perspectivas de Desenvolvimento

Os resultados a atingir pelo Pólo de Competitividade determinam as perspectivas de desenvolvimento do mesmo:

  • Posicionar o cluster automóvel e da mobilidade entre os mais competitivos;
  • Aumentar o VAB, as exportações e a criação de emprego qualificado nas empresas das indústrias da mobilidade;
  • Desenvolver uma indústria de fornecedores sólida, competente e com um desempenho de excelência;
  • Promover Portugal enquanto plataforma especializada de competências ao longo de toda a cadeia da mobilidade;
  • Induzir e atrair novos projectos de investimento associados a novas lógicas de veículos e motorizações;
  • Desenvolver novas oportunidades de negócio e reter o investimento estrangeiro.

Para a gestão e dinamização do Pólo de Competitividade foi criado um Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel (CEIIA). A governação do Pólo apresenta duas vertentes:

  • Coordenação dos actores internos ao próprio grupo;
  • Articulação destes com outros stakeholders.


Indústrias de Mobilidade – Portugal Mobi 2015

Entidade Gestora

Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel

Endereço

Rua Eng. Frederico Ulrich, 2650
4470-605 Moreira da Maia

Web

www.ceiia.com

Contactos